UE concede 74 milhões de euros à CEDEAO para missão africana no Mali

Lagos, Nigéria (PANA) - Para honrar a promessa feita durante a conferência de doadores organizada em janeiro em Addis Abeba, na Etiópia, a União Europeia (UE) concedeu à Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) 76 milhões de euros para  apoiar a Missão Internacional Africana no Mali (MISMA) e para reforçar a aplicação do protocolo regional sobre livre circulação de pessoas no seio da organização oeste-africana.

O acordo foi assinado terça-feira em Abuja, a capital federal da Nigéria, pelo presidente da Comissão da CEDEAO, Kadre Ouédraogo, e pelo chefe da delegação da UE na Nigéria, David MacRae, à margem da nona reunião de coordenação de três dias com os parceiros de desenvolvimento da CEDEAO que começou segunda-feira.

Segundo um comunicado da CEDEAO, 50 milhões de euros do empréstimo servirão principalmente para o pagamento dos salários da força internacional, enquanto os 26 milhões de euros restantes serão gastos para resolver os problemas de imigração e da circulação das pessoas na região.

"Estes 50 milhões de euros ilustram uma vez mais a firme determinação da UE a ajudar a CEDEAO na gestão da crise no Mali e na consolidação da paz e da segurança na África Ocidental", afirmou o presidente da Comissão da CEDEAO durante a cerimónia de assinatura.

"Não há dúvida de que a CEDEAO necessitará ainda do apoio da UE e dos outros parceiros de desenvolvimento para a MISMA e as forças de segurança e de defesa do Mali nesta fase crítica que necessita de meios logísticos acrescidos", acrescentou Kadre Ouédraogo.

Em resposta, David MacRae declarou que a assinatura "concretiza a promessa feita durante a conferência de doadores e ilustra o engajamento da UE a ajudar o Mali a realizar o seu objetivo a longo prazo de restabelecer o estado de direito no país e dar o apoio necessário para o processo de estabilização a nível político e militar e contribuir para o seu relançamento rápido".

Ele afirmou que a UE prometeu, igualmente, apoiar o programa de transição para um regime democrático e constitucional, um diálogo nacional inclusivo e a organização de eleições livres e credíveis, exortando as autoridades malianas a acelerar o regresso total à ordem constitucional e à reconstrução política do país.

Como prova do seu apoio ao desenvolvimento do Mali, David MacRae disse que a UE retomou a sua ajuda ao desenvolvimento destinada ao país, da qual 250 milhões de euros estão disponíveis no Fundo Europeu de Desenvolvimento, além de 20 milhões de euros de financiamento rápido do Instrumento da UE para a Estabilidade.

-0- PANA SEG/ASA/AAS/MAR/TON 10abril2013

10 Abril 2013 10:36:14




xhtml CSS