Início de investigação sobre racismo no râguebi sul-africano

Cidade do Cabo- África do Sul (PANA) -- Uma investigação sobre o escândalo racial que mergulhou o râguebi sul-africano na sua maior crise iniciou-se segunda-feira na Federação Sul-Africana de Râguebi (SARFU).
O inquérito, chefiado pelo ex-juiz Edwin King, foi instaurado pela SARFU para investigar as alegações de racismo na direcção da equipa e notícias de que o jogador Geo Cronje (branco) se recusou a partilhar um quarto com o seu colega Quinton Davids (negro).
O râguebi sul-africano mergulhou numa nova crise na semana passada quando Mark Keohane, director de comunicação da selecção nacional, demitiu-se devido ao incidente.
Keohane apresentou a sua demissão com efeito imediato, dizendo que acreditava que a confiança entre ele o a direcção da equipa tinha sido quebrada devido a alegações de que ele tinha sido a fonte da história do escândalo de racismo que envolveu Cronje e Davids.
Há duas semanas, Cronje foi expulso dos trabalhos da selecção depois de alegadamente recusar-se a partilhar um quarto com Davids.
Contudo, uma investigação oficial sobre o incidente apurou que Cronje era inocente e foi ilibado de qualquer mal.
Entretanto, o ex-Presidente sul-africano, Nelson Mandela, foi solicitado a manter-se distante do conflito depois de se ter oferecido como mediador.
Mandela queria jogar um papel de conselheiro por forma a encontrar uma solução para o problema, mas foi persuadido pelo ministro dos Desportos, Ngonde Balfou, a distanciar-se do escândalo.

08 september 2003 20:52:00




xhtml CSS