Imprensa togolesa saúda assinatura do acordo sobre diálogo inter-togolês

Lomé- Togo (PANA) -- A imprensa togolesa consagrou na sua primeira página de segunda-feira à assinatura domingo último do Acordo entre os actores políticos e a sociedade civil.
O diário governamental Togo Presse, num editorial intitulado "A aposta ganha dos Presidentes Faure Gnassingbé (Togo) e Blaise Compaoré (Burkina Faso)", qualifica o Acordo de "evento fenomenal e histórico" para o povo togolês.
O jornal que destaca igualmente o espírito de abertura do Presidente Faure Gnassingbé, convida as populações togolesas a não viver o evento como uma "ilusão", pois, sublinhou, as mais altas autoridades do país não pouparam esforços para "honrar estes compromissos".
O jornal Liberté Hebdo, publicado especialmente neste dia, dá a palavra aos signatários deste documento, realçando os sacrifícios consentidos para se chegar a este resultado.
Por sua vez, o Forum de la Semaine escreveu que o facilitador, Blaise Compaoré, "cria invejosos no seio dos seus pares da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental)", explicando que "o bom êxito do jovem Blaise onde os seus decanos desconseguiram não agradou a todo mundo".
O jornal aludiu aos Presidentes Olusegun Obasanjo (Nigéria), Mamadou Tandja (Níger), John Kufuor (Gana) e Yayi Boni (Benin) acusando-os de ter simplesmente boicotado a cerimónia porque desejavam desempenhar um papel primordial na mediação da crise togolesa.
Afirmações redifundidas pelo Forum de la Semaine indicam que estes chefes de Estado, sobretudo Obasanjo e Tandja, "já se tinham sujado" no dossier togolês, referindo-se ao crédito concedido pelos dois chefes de Estado aos resultados das eleições de Abril de 2005 que confirmaram Faure Gnassingbé (filho do falecido Presidente Gnassingbé Eyadema) à frente do país.

21 Agosto 2006 22:58:00


xhtml CSS