Imprensa beninense destaca crise na Côte d'Ivoire

Cotonou- Benin (PANA) -- Os jornais beninenses desta semana fixaram os seus comentários nas recentes declarações do ex-chefe do Estado-Maior das Forças Armadas Ivoirienses general Mathias Doué, que exigiu a demissão do Presidente Laurent Gbagbo, e as suas implicações nas eleições presidenciais na Côte d'Ivoire, previstas para 30 de Outubro próximo.
A maioria dos jornais beninenses consideraram que o general Mathias Doué optou, através da sua fracassante declaração de sexta-feira passada, por um modo claro e ameaçador da gestão da crise política que assola o seu país desde 19 de Setembro de 2002.
"O tom é directo.
O general Doué, exonerado em Novembro de 2004 pelo chefe de Estado Laurent Gbagbo, revelou publicamente a sua intenção de destituir o Presidente ivoiriense", comentou o diário privado "Les Echos du Jour" num editorial publicado na segunda- feira passada.
Para o mesmo jornal, a posição do oficial superior ivoiriense foi conhecida há dias quando, durante uma entrevista à "Radio France Internationale (RFI)", declarou abertamente a sua rebelião contra o poder de Abidjan.
"A tendência das autoridades ivoirienses em menosprezar uma tal notícia não basta para assegurar a implicação deste novo dado que acaba de registar a situação na Côte d'Ivoire", analisou o jornal, acrescentando que esta situação se parece com tudo excepto o que tentam fazer crer os dirigentes ivoirienses.
Na sua crónica de quarta-feira passada, o jornal privado "L'Autre Quotidien" estimou que esta situação que se regista a dois meses das eleições presidenciais de 30 de Outubro não augura um bom desenrolar do escrutínio que é capital para o regresso da paz no país.
O jornal lembra que "a desgraça quer que cada vez que pensamos sair do túnel da crise ivoiriense um episódio infeliz surge sempre para complicar a situação e relançar inutilmente as tensões".
"As ameaças proferidas por Mathias Doué, antigo chefe do Estado- Maior de destituir o Presidente Gbagbo por todos os meios, inscrevem-se nesta lógica", explica o jornal.
Por seu turno, o diário privado "Fraternité" diz que o único remédio hoje para tirar os ivoirienses desta situação é a ajuda da comunidade internacional.
"A comunidade internacional já fez muito ao conseguir reunir várias vezes os irmãos inimigos à mesa das negociações.
Mas, verifica-se, mais do que nunca, neste caso o velho ditado segundo o qual nada ainda está feito enquanto resta fazer", observou o jornal, aproveitando para solicitar aos negociadores para se engajarem totalmente para a resolução do conflito.

27 Agosto 2005 13:05:00


xhtml CSS