Imigração escolhida é "tráfico de cérebros", diz Konaré

Banjul- Gâmbia (PANA) -- A imigração escolhida "é um tráfico de cérebros que não podemos aceitar", declarou quarta-feira em Banjul o presidente da Comissão da União Africana (UA) Alpha Oumar Konaré na abertura da reunião do Conselho de Ministros da organização panafricana.
A imigração escolhida é uma lei adoptada pela França por iniciativa do seu ministro do Interior Nicolas Sarkozy a fim de regular a entrada de estrangeiros no seu território com base em critérios selectivos precisos.
O presidente da Comssão da União Africana exortou os ministros a discutirem esta questão que provocou a ira de muitos africanos.
"Devemos realizar reuniões importantes sobre este assunto que devem desembocar num encontro com a União Europeia (UE).
Mas o essencial para nós é adoptar-se uma posição comum antes de se abrir um debate com a UE", estimou Konaré.
Evocando por outro lado a questão da emigração maciça para a Europa a partir das costas africanas, o ex-chefe do Estado maliano sublinhou que "estes movimentos geram violências e, se não tomarmos cuidado, esta violência poderá explodir nas nossas próprias cidades".
Abordando os aspectos financeiros da Comissão, Konaré denunciou certos dossiers mal geridos como "a organização do encontro dos intelectuais africanos e da diáspora (em Dakar) onde as regras de gestão não foram respeitadas".
"Devemos admitir os nossos erros com humildade e velar para que a Comissão dê prova de seriedade e que não se instale a cultura de impunidade", acrescentou.
Antes da intervenção de Konaré, a Vice-Presidente gambiana, Isatou Njie Saida, pediu aos ministros "para definirem estratégias e posições para permitir aos africanos beneficiarem duma protecção face às humilhações e a actos de racismo".
A reunião do Conselho de Ministros da UA, que termina quinta-feira, deve preparar dossiers a submeter à cimeira dos chefes de Estado e de governo cujos trabalhos devem iniciar-se sábado próximo na capital gambiana.

28 Junho 2006 17:54:00




xhtml CSS