Violências contra mulheres preocupam populações autóctones, segundo perito da ONU

Nova Iorque, Estados Unidos (PANA)   - As violências contra mulheres e raparigas e o impacto das indústrias extrativas são das primeiras preocupações das populações autóctones, indicou, terça-feira em Genebra, na Suíça, o relator especial sobre a situação dos direitos humanos e das liberdades fundamentais destes povos, James Anaya.

Em 2012, Anaya cooperou com diversos países, com agências da Organização das Nações Unidas (ONU) e com povos autóctones no âmbito duma série de missões visando avaliar os desafios com que estão confrontados diaramente estes povos.

Neste quadro, ele fez recomendações aos Estados em matéria de práticas otimais e debruçou-se sobre as alegações de violações dos direitos humanos.

Anaya disse que, durante consultas com representantes de organizações autótones, os seis interlocutores sublinharam a necessidade duma abordagem holística para pôr termo às violências de são vítimas mulheres e meninas autóctones.

A implementação da Declaração sobre os Direitos dos Povos Autóctones é, segundo ele, determinante para responder à questão.

Adotada pela Assembleia-Geral em setembro de 2007 após mais de duas décadas de deliberações, esta documento cobre os direitos individuais e coletivos dos povos autóctones em todas as áreas, nomeadamente a cultura, a identidade, a língua, o acesso ao emprego, a saúde e a educação.

-0- PANA AA/SEG/NFB/JSG/IBA/CJB/DD    19set2012

19 Setembro 2012 18:25:12


xhtml CSS