Violência em Bangui entrava trabalho humanitário, segundo ACNUR

Nova Iorque, Estados Unidos (PANA) – O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) exortou, terça-feira, as partes em conflito na República Centroafricana (RCA) a permitir o acesso sem obstáculo aos trabalhadores humanitários, para que entreguem a ajuda aos deslocados internos que dela amplamente necessitam.

Num comunicado transmitido à PANA em Nova Iorque, o ACNUR indica que os recentes incidentes violentos em Bangui, a capital, obrigaram mais de seis mil pessoas, em particular mulheres e crianças, a abandonar as suas casas.

A porta-voz do ACNUR, Melissa Fleming, declarou que a sua agência está alarmada pelo recrudescimento da violência em Bangui.

"As vítimas não são apenas os civis, mas também os trabalhadores humanitários e os soldados da paz das Nações Unidas o que entrava gravemente as nossas atividades humanitárias", sublinhou.

Ela lembrou que os recentes ataques em Bangui foram desencadeados a 7 de outubro corrente por um ataque à granada num dos bairros da capital centroafricana, matando quatro pessoas.

Os supostos agressores foram detidos e teriam sido mortos, ao que se seguiram ataques contra os civis que fizeram nove mortos e 55 feridos, indicou.

Fleming acrescentou que a situação continua tensa em em Bangui, apesar de algumas lojas reabrirem as suas portas.

Ela apelou contudo à comunidade internacional para redobrar de esforços para salvar o país das atividades dos beligerantes e continuar a promover a paz e a reconciliação no seio da população.

A RCA tarda a restabelecer a estabilidade depois dum conflito que eclodiu entre comunidades muçulmanas e cristãs nos finais de 2012.

-0- PANA AA/AR/MTA/IS/MAR/IZ 15out2014

15 Outubro 2014 13:19:58




xhtml CSS