Unidade da oposição face ao poder faz manchete nos Camarões

Yaoundé- Camarões (PANA) -- A imprensa camaronesa da semana manifestou muito interesse pelo "estado de saúde" da coligação da oposição, a menos de cinco meses das eleições presidenciais em que conta apresentar um candidato único.
Este interesse foi observado no final do sexto encontro da Coligação para a Reconciliação e Reconstrução Nacional (CRRN), realizado sábado em Yaoundé, a capital do país.
Um encontro que não atraiu muita gente, disse o diário privado "Mutations", acrescentando, porém, que o mesmo revelou "actos dissimulados".
Em suma, uma fissura resultante da atitude da Frente Social Democrata (SDF), criticada por "culto da personalidade" do seu líder, Ni John Fru Ndi, que se quer apresentar como o melhor candidato da CRRN às próximas eleições.
Mas Fru Ndi é acusado de dar prova de ostracismo em relação a outras forças da oposição e antigos camaradas de partido que não aceita categoricamente no seio da Coligação.
Assim, escreve o diário "La Nouvelle Expression", "este comício alentou as populações da capital, no tocante ao plano de acção da Coligação".
"Co-aliados unidos e determinados mais do que nunca", constata o "Le Messager", que noticiou que os nove líderes que constituem esta dinâmica "juraram (.
.
.
) ir até ao fim da sua lógica, não excluindo o recurso às armas se for necessário para libertarem os Camarões, caso a Coligação Democrática do Povo Camaronês (RDPC, no poder) insista na fraude nos próximos escrutínios".
O diário governamental "Cameroon Tribune" (CT) interrogou-se sobre essa "lógica de guerra" emanada de uma coligação onde se encontram atingos membros do governo "que recentemente nos proferiram discursos patrióticos, lições exemplares e cívicas".
"Como conseguem reconciliar-se entre si, quando pedem aos camaroneses que ponham os Camarões a ferro e fogo, se eles não regressarem aos negócios ou não tomarem o poder?", exclamou o CT.

05 Junho 2004 10:00:00


xhtml CSS