União de Mulheres Jornalistas da Mauritânia denuncia marginalização

Nouakchott- Mauritânia (PANA) -- A União das Mulheres Jornalistas de Mauritânia (UFJM) denunciou a sua "marginalização" na cobertura de actividades oficiais, soube-se junto da associação.
Numa declaração transmitida quarta-feira à PANA, a UFJM evoca a recente recusa a um dos seus membros de cobertura duma conferência de imprensa do Presidente da República.
Um pedido de audiência junto do primeiro-ministro permanece infrutífero e outras medidas discriminatórias são denunciadas pelas mulheres jornalistas da Mauritânia.
A UFJM chama a atenção de todas as ONGs de direitos humanos sobre a situação "numa altura em que a paridade é um discurso na moda", acrescenta a declaração.

22 Novembro 2007 13:50:00




xhtml CSS