União Africana pede preservação do clima de paz no Togo após eleições

Lomé, Togo (PANA) – A Missão de Observação Eleitoral da União Africana (UA) exortou os cidadãos togoleses a preservarem o clima de paz e a vontade de consenso que prevaleceram durante o escrutínio presidencial de 25 de abril corrente.

« O clima de paz e a vontade de busca do consenso que prevaleceram durante os preparativos e o desenrolar da votação merecem ser  preservados até ao anúncio dos resultados das eleições  e à gestão da fase pós-eleitoral », declarou segunda-feira à noite o chefe da Missão dos Observadores da UA, o antigo primeiro-ministro guineense, Kabiné Komara.

Segundo ele, estas eleições permitiram aos Togoleses escolher o seu Presidente da República  "livremente e com transparência".

A UA reconheceu que, no geral, as eleições presidenciais de 25 de abril de 2015 "constituem uma etapa importante na implantação da democracia no Togo" e sublinha, por outro lado, que as « incompreensões que existiam entre os atores políticos e a Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI), na véspera do escrutínio, foram largamente  ultrapassadas ».

A organização continental exortou também os partidos políticos e os seus militantes a « respeitarem a vontade do povo tal como expressa através dos resultados das urnas » e a recorrer « unicamente às vias legais para qualquer contestação eventual ».

A Missão apontou, no entanto,  algumas falhas, como as dificuldades para alguns eleitores  de encontrar a sua assembleia de voto e  a má compreensão de alguns delegados dos candidatos do seu papel e dos procedimentos eleitorais em vigor.

Nas suas recomendações, a Missão pediu ao Governo para "continuar as reformas” com vista ao reforço do diálogo político, da democracia e das instituições democráticas no país, instituindo um quadro permanente de diálogo entre os atores políticos com vista à preservação do clima de paz e coesão nacional.

À CENI, ela recomenda para « comunicar cada vez mais » com os atores políticos e com as outras partes interessadas,  a fim de dissipar quaisquer dúvidas e inquietudes e criar o clima de confiança necessário para a realização dum processo eleitoral e reforçar as capacidades do pessoal eleitoral, nomeadamente,  sobre os procedimentos de encerramento e contagem dos votos.

Quanto aos partidos políticos e às organizações da sociedade civil, a UA recomenda-lhes, respetivamente, para lançar ações de educação cívica e eleitoral  para os seus militantes, e organizar sessões de formação para os delegados das assembleias de voto.

Sugere ainda a continuação e reforço das ações de educação cívica eleitoral, sobretudo na zona rural e junto dos jovens, e contribuir para a credibilidade do escrutínio,  continuando  com o desdobramento de equipas de observadores durante todo o processo eleitoral.

A União Africana enviou para o Togo uma missão de 43 observadores provenientes de 22 países e repartidos em 16  equipas desdobradas nas cinco regiões administrativas do país bem como em Grand Lomé.

-0- PANA FAA/JSG/FK/IZ  28abril2015

28 Abril 2015 23:50:46




xhtml CSS