União Africana elogia novo acordo em negociações para paz Darfur

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- A assinatura da "declaração de princípios" pelos protagonistas da crise na conturbada província sudanesa de Darfur "é uma grande vitória para a União Africana (UA) e para o povo sudanês", afirmou sexta-feira um alto funcionário da organização panafricana.
"Apreciamos os esforços de todos os nossos parceiros e colaboradores que nos ajudaram a alcançar este acordo em Abuja (capital nigeriana)", disse a jornalistas o comissário da UA para a Paz e Segurança, Said Djinit.
Este acordo cria um quadro para as negociações sobre a partilha do poder, da riqueza natural e dos tratados sobre a segurança dentro da região.
Aparentemente satisfeito com a calma actualmente reinante em Darfur, Djinnit apelou a todas as partes envolvidas no conflito regional, incluindo o governo sudanês, para manter a tranquilidade.
"Podemos realmente capitalizar nesta situação e avançar para registar um grande sucesso em Darfur", disse mostrando-se optimista quanto à consolidação da unidade nacional e democracia no Sudão.
A confiança de Djinnit sobre o futuro do Sudão foi estimulada pela perspectiva de prestação de juramento do novo governo sudanês a 9 de Julho de 2005 como início da implementação dos Acordos Naivasha.
O Presidente da Comissão da UA Alpha Oumar Konaré disse durante a última cimeira da sua organização em Sirtes, Líbia, que 9 de Julho "pode marcar o início da vontade de todas as partes sudanesas de se encarregar da resoluçõ dos seus conflitos e de prevenir os riscos em outras regiões do Sudão".
Entretanto, a principal preocupação da Comissão da UA é o défice verificado na proposta de orçamento do seu primeiro ano de 460 milhões de dólares americanos para a sua missão de manutenção da paz em Darfur.
Excluindo as contribuições feitas até agora, em dinheiro e em espécie, Djinnit disse que a UA está à procura de cerca de 200 milhões de dólares americanos para resolver este defíce.
Afirmou que a Comissão possui ainda alguma reserva do Fundo para a Paz Africana financiada pela União Europeia.
Além disso, o Canadá ofereceu 170 milhões de dólares canadianos em dineheiro e em espécie mas o défice continua ainda uma preocupação, acrescentou.
A Missão da UA no Sudão (AMIS) deve integrar sete mil e 731 tropas até ao fim de Setembro de 2005, disse Djinit explicando ter já iniciado a mobilização das tropas dos países africanos contribuintes.
Um contingente adicional nigeriano era agardado esta semana em El Fashir, o posto de comando da AMIS em Darfur.
Até finais de Julho de 2005, a Nigéria deverá ter mobilizado um batalhão na região ao passo que o Ruanda vai enviar dois outros batalhões neste mesmo período para reforçar a AMIS.

08 Julho 2005 18:54:00




xhtml CSS