União Africana considera ano de 2018 determinante para futuro da Líbia

Tripoli, Líbia (PANA) - O alto representante da União Africana (UA) na Líbia, Jakaya Kikwete, afirma que o ano de 2018 determinará o futuro da Líbia.

Num seu tweet, Kikwete (ex-chefe de Esdtado tanzaniano), escreveu quinta-feira que o caso líbio figura ainda entre as prioridades da UA.

Frisou ter discutido sobre a situação na Líbia com Mohamed Siala, ministro líbio dos Negócios Estrangeiros, à margem da 30ª Cimeira da UA realizado de 29 a 30 de janeiro último em Addis Abeba, na Etiópia.

A UA afirmou segunda-feira que as autoridades líbias não devem precipitar-se neste processo a fim de organizarem eleições no quadro dos esforços da Organização das Nações unidas (ONU) e acabarem com o conflito que divide o seu país.

Essas eleições gerais constam do plano de resolução de crises proposto pelo representante do Secretário Geral da ONU e chefe da Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia (UNSMIL), Ghassan Salamé, em setembro último.

Deste plano tem três fases escalonadas para um ano, designadamente a revisão do Acordo Político, a realização duma  conferência inclusiva e a adoção de uma constituição.

Responsáveis das Nações Unidas, incluindo Ghassan Salamé, reconheceram a complexidade dos desafios políticos, legislativos e de segurança e legislativos de tal voto, declaram-se otimistas quanto ao interesse dos Líbios nas eleições.

Salamé participou na cimeira da UA em Addis Abeba para consultar líderes regionais sobre a maneira  como se pode adotar uma abordagem comum sobre a Líbia.

Por sua vez, o comissário da UA para a Paz e a Segurança, Smail Chergui, declarou a jornalistas, à margem da cimeira, que "recebemos Salamé que reconhece que este é um conflito complexo e muito difícil que não pode ser resolvido por uma única organização ".

"As duas organizações trabalharão juntas para apoiar a reconciliação e criar condições necessárias às eleições", anunciou Chergui.

Acrescentou que "nós, Estados membros da União Africana, dizemos que não devemos apressar as eleições. Mas, nós devemos preparar um terreno sólido para eleições credíveis e pacíficas a fim de que os seus resultados sejam respeitados por todas as partes ".

-0- PANA BY/BEH/DIM/DD  02fev2018


02 فبراير 2018 13:51:11




xhtml CSS