UNICEF alerta para situação de crianças na República Centroafricana

Nova Iorque, Estados Unidos (PANA) - Duas em cada cinco crianças que precisam com urgência de ajuda humanitária na República Centroafricana (RCA) não beneficiam deste apoio, devido à falta crítica de financiamento e à continuação do conflito, um ano depois de uma violência extrema ter destruído o país, alerta o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

"As crianças na República Centroafricana já não fazem a primeira página da imprensa, mas mais de dois milhões e 500 mil delas continuam a viver com  um medo constante", lamentou o diretor regional do UNICEF para a África Ocidental e Central, Manuel Fontaine, num comunicado transmitido esta quinta-feira à PANA em Nova Iorque.

"Elas têm pouco acesso aos serviços essenciais e dependem inteiramente da ajuda humanitária. Como estamos prontos para celebrar o Ano Novo, devemos aproveitar a oportunidade para darmos a estas crianças um melhor futuro", sublinhou.

Fontaine notou igualmente que o UNICEF recebeu menos da metade do financiamento de emergência, de que precisa para 2014, enquanto o acesso humanitário continua fraco devido à insegurança persistente, com barricadas nas estradas, saques e ataques contra os trabalhadores humanitários, o que, a seu ver, mina os esforços do UNICEF para oferecer uma assistência essencial às comunidades necessitadas.

As comunidades que a agência onusina devia assistir este ano não conseguiram aceder aos serviços básicos. 620 mil pessoas  não conseguem receber tratamentos médicos básicos e medicamentos, 25 mil outras não têm acesso a fontes melhoradas de água, 33 mil crianças não imunizadas contra o sarampo e cinco mil petizes menores de cinco anos de idade severamente desnutridos que não beneficiam de nenhum tratamento médico, lê-se no comunicado.

"No entanto, com a colaboração das autoridades locais e dos parceiros, o UNICEF conseguiu fornecer serviços essenciais tais como medicamentos, vacinas, mosquiteiros e tratamentos a crianças desnutridas, a milhares de famílias necessitadas", afirmou.

Para executar normalmente os seus programas de emergência na RCA em 2015, o UNICEF lançou um apelo de fundos de 72 milhões de dólares americanos que, segundo a agência onusina, serão utilizados para reconstruir os serviços sociais, proteger os civis e engajar as comunidades na reconciliação e promoção da paz.

O conflito destruiu as comunidades no país, levando quase 500 mil crianças a fugirem dos seus lares, provocando a morte ou a mutilação de pelo menos uma criança por dia e o recrutamento de até 10 mil outras por grupos armados.

Mais de 80 porcento dos 188 mil refugiados que fogem para os países vizinhos, como os Camarões, o Tchad, a República Democrática do Congo e o Congo, são crianças e mulheres, com um total de 430 mil deslocados internos e mais de 16 mil pessoas pertencentes a etnias minoritárias ainda bloqueadas em enclaves cercados por grupos armados.

-0- PANA AA/SEG/AKA/BEH/IBA/FK/DD 18dez2014

18 Dezembro 2014 22:14:28




xhtml CSS