UE renova sanções por seis meses contra personalidades ameaçadores de paz na Líbia

Bruxelas, Bélgica (PANA)   - A União Europeia (UE) prorrogou a duração das sanções contra a Líbia, que afetam três pessoas para um período de seis meses, soube-se de fonte oficial em Bruxelas.

A decisão da UE justifica-se pela instabilidade persistente e pela gravidade da situação na Líbia, de acordo com a fonte.

A 1 de abril de 2016,  a UE impôs medidas restritivas a três cidadãos líbios, designadamente  Aguila Saleh, presidente do Conselho dos Deputados Líbios no seio da Câmara dos Representantes (Parlamento), Khalifa Ghweil, primeiro-ministro e ministro da Defesa do Congresso Nacional Geral (CNG, Parlamento paralelo) não reconhecido pela comunidade internacional.

Também está sujeito a estas medidas Nuri Abu Sahmain, presidente do CNG, de acordo com a fonte.

« Estas três pessoas são consideradas como indivíduos que minam a aplicação do Acordo Político Líbio assinado em Shikhrat (Marrocos) a 17 de dezembro de 2015 e a formação do Governo de União Nacional na Líbia », indica o comunicado de imprensa da UE divulgado quinta-feira.

A organização europeia adotou as últimas conclusões sobre a Líbia a 17 de julho de 2017, reiterando o seu apoio firme ao Acordo Político líbio e à presidência do Conselho e do Governo de União Nacional dirigido pelo primeiro-ministro, Fayez Sarraj, estabelecido como a única autoridade governamental legítima no país.

Ao renovar as sanções, a UE reafirmou o seu compromisso para as medidas restritivas existentes bem como a sua disponibilidade para as levantar se as condições da sua aplicação  estiverem reunidas.

Prometeu empreender novas sanções contra indivíduos que ameaçarem a paz, segurança e  estabilidade no país,  dificultando ou minando o bom desenrolamento da transição política.

-0- PANA AR/ASA/TBM/SOC/FK/DD 29set2017

29 Setembro 2017 11:52:09


xhtml CSS