UA recompensa cinco pesquisadoras africanas

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- A Comissão da União Africana (UA) recompensou quarta-feira em Addis Abeba cinco mulheres africanas pesquisadoras pelo trabalho "notável" que elas efectuaram.
Trata-se de duas Maurícias, duas Sul-Africanas e duma Egípcia que recebem cada um prémio de 20 mil dólares americanos.
Primeira mulher professora de engenharia, primeira decana de Faculdade de Engenharia da Universidade de Maurícias e professora de enganharia química e ambiental, Romeela Mohee ganhou o prémio pelo trabalho que concerne ao tratamento de lixos.
As pesquisas de Mohee "implicaram a formulação de soluções a preço baixo a favor da sociedade", sublinhou um comunicado publicado pelo júri da Comissão da UA e das Comunidades Económicas Regionais.
Professora titular de química orgânica na Universidade de Maurícias, Ameenha Gurib-Fakim ganhou um prémio no domínio das ciências da vida e da terra.
A professora Ameenha criou a primeira base de dados sobre as plantas medicinais e aromáticas para as ilhas Maurícias e o sudoeste do Oceano Índico.
A Egípcia Sanaa S.
Botros, professora de farmacologia no Instituto de Pesquisa Theodor Bilharz, foi premiada pelas suas pesquisas sobre o tratamento das doenças tropicais.
As Sul-Africanas Lee-Anne McKinnell e Brenda Diana Wingfield distinguiram-se pelos seus trabalhos no domínio das ciências espaciais e da filogenia molecular, respectivamente.

10 Setembro 2009 20:34:00


xhtml CSS