UA propõe descentralização como solução para Darfur

Paris- França (PANA) -- O presidente da Comissão da UA (União Africana), Alpha Oumar Konaré, defendeu quinta-feira que a descentralização pode ajudar a sair da crise vivida há mais de dois anos em Darfur, oeste do Sudão.
Falando durante uma conferência de imprensa em Paris, Konaré apelou às partes sudanesas a inspirarem-se no acordo concluído no Sul do Sudão para encontrar uma solução para a crise em Darfur.
"Estou convencido de que uma transferência de responsabilidades para as populações de Darfur através de uma verdadeira descentralização pode servir de ponto de partida de um acordo político.
Podemos trabalhar nesta crise olhando para o acordo que permitiu o Sul pôr fim a 21 anos de guerra", sublinhou.
Segundo ele, não há solução militar para a crise de Darfur e o governo e os rebeldes sudaneses devem estar claramente conscientes disso.
O antigo Presidente do Mali (1992 a 2002) apelou, por outro lado, às potências estrangeiras a não complicar a procura de uma solução pacífica, lamentando as pressões exercidas sobre os rebeldes e os apoios externos, materiais ou financeiros, que lhes são prestados.
Para Konaré, a crise em Darfur tem claramente ramificações externas que a complicam e "é preciso que esforcemos para evitar que ela se transfome num confronto entre negros e árabes sudaneses".
"A nossa ambição na UA é achar em África uma solução para este problema", disse o presidente da Comissão da UA acrescentando que a resolução da crise será mais complicada ainda se for procurada noutras instâncias internacionais.
"É por isso que trabalhamos sem repouso para convencer o governo e os rebeldes a encontrarem um compromisso político", afirmou Konaré, precisando que a UA gastou 250 milhões de dólares americanos num ano para a manutenção da sua missão em Darfur.
Cerca de três mil soldados provenientes de diversos Estados africanos estão desdobrados em Darfur onde integram a força de interposição entre o Exército governamental sudanês e as milícias Djandjawids, dum lado, e três movimentos rebeldes armados do outro lado.
No entanto, a presença desta força de manutenção da paz africana não tem sido capaz de impedir confrontos em Darfur onde vários milhares de pessoas já perderam a vida.
Centenas de milhares de outras pessoas tiveram que se refugiar em outras regiões do Sudão ou outros países vizinhos como o Tchad.

27 Outubro 2005 18:17:00




xhtml CSS