UA poderá rejeitar sanções americanas contra Zimbabwe

Charm el-Cheikh- Egipto (PANA) -- As sanções dos Estados Unidos contra alguns membros do Governo do Presidente zimbabweano, Robert Mugabe, deverão ter pouco apoio dos Estados árabes e africanos, advertiram fontes diplomáticas segunda- feira na estação balnear egípcia de Charm el-Cheikh.
Os Estados Unidos anunciaram que iriam impor sanções contra todos os apoios de Mugabe, que visam as suas empresas e o congelamento das suas contas bancárias, e que vão igualmente exortar outros Estados a tomar medidas similares.
A sub-secretária de Estado americana, Jendayi Fraser, revelou que os Estados Unidos estavam a analisar a tomada de sanções através da ONU, mas não condicionariam a sua acção às conclusões da Cimeira da União Africana (UA) que decorre actualmente no Egipto.
"As sanções americanas serão tomadas na ONU.
Não queremos nos pronunciar sobre a natureza destas sanções, mas previmos sanções contra empresas individuais.
Perspectivamos igualmente um embargo de armas", indicou Fraser.
O comissário para a Paz e Segurança da União Africana, Ramantane Lamamra, revelou, contudo, que os dirigentes africanos poderiam não subscrever inteiramente a estas sanções americanas.
"As sanções não são o melhor instrumento inventado pela democracia moderna.
Não se deve falar tão facilmente como se pensa.
A União Africana tem uma posição diferente da maneira de ajudar os países africanos a encontrar soluções em tais circunstâncias", indicou.
Os dirigentes africanos deverão abordar a questão esta terça-feira depois das suas discussões sobre o Zimbabwe.

01 Julho 2008 09:26:00




xhtml CSS