UA insurge-se contra mercenarismo em África

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- A União Africana (UA) expressou a sua preocupação face às acções de mercenários assim como às suas consequências na estabilidade e segurança do continente.
Um grupo de 70 mercenários está actualmente a ser julgado no Zimbabwe por tentativa de golpe de Estado contra o Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo.
Numa das suas declarações no final da III Cimeira, a  União Africana encorajou os chefes de Estado africanos a tomarem medidas adequadas para combaterem e cessarem as acções de mercenários.
A organização continental lançou um apelo para a promoção das trocas de informação e adopção de leis apropriadas contra as acções dos mercenários.
O presidente da Comissão da UA, Alpha Oumar Konaré, foi instado a transmitir esta declaração ao Conselho de Segurança da ONU para adopção.
A Cimeira congratulou-se com a cooperação entre a África do Sul, Angola, Zimbabwe e Guiné Equatorial que permitiu frustrar a tentativa de golpe de Estado neste pequeno país oeste-africano rico em petróleo.
A UA confirma que este combate contra o mercenarismo se inscreve na dinâmica da Convenção da defunta OUA sobre a eliminação do mercenarismo em África.

08 Julho 2004 22:29:00




xhtml CSS