UA exige retoma imediata de negociações de paz sobre Darfur

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- O Conselho de Paz e Segurança (CPS) da União Africana (UA) apelou às partes sudanesas para a retomada imediata das conversações de paz sobre Darfur (oeste do Sudão) sob pena de sancionar os que bloquearem o processo de paz.
"Todas as partes devem regressar imediatamente a Abuja (Nigéria) para a sétima ronda das negociações de paz intersudanesas sobre o conflito em Darfur sem nenhuma pré-condição", decidiu o CPS no termo da sua 43ª reunião decorrida terça-feira em Addis Abeba.
Sublinhando que a sétima ronda de negociações deve ser "decisiva, com a assinatura de um acordo de paz abrangente para pôr termo ao conflito de Darfur", o CPS encorajou também os medianeiros a fazer o possível e garantir que este objectivo seja atingido.
As negociações são conduzidas pelo ex-primeiro-ministro tanzaniano e antigo secretário-geral da OUA (Organização de Unidade Africana), Salim Ahmed Salim, na sua qualidade de enviado especial da UA e medianeiro-chefe.
O Conselho mostrou-se preocupado pelos últimos acontecimentos no terreno, particularmente as violações do cessar-fogo e apelou a todas as partes para exercer o máximo de restrições e honrar os seus compromissos.
O CPS acusou o Movimento/Exército de Libertação do Sudão (SLM/A) de retardar a progressão do processo conducente a um acordo de paz abrangente na conturbada região oeste do país.
Lembrando aos líderes do SLM/A a sua pesada responsabilidade de não prolongar o sofrimento do seu povo de Darfur, o CPS insistiu em que colocassem de lado as suas diferenças e ambições pessoais para se concentrarem nas negociações para pôr termo ao conflito.
Em colaboração com o Conselho de Segurança das Nações Unidas, o CPS decidiu examinar as medidas apropriadas que incluem sanções a serem adoptadas contra qualquer parte que minar ou constituir obstáculo ao processo de paz em Darfur.
De acordo a esta decisão, os obstáculos ao processo de paz incluem atraso deliberado das negociações de Abuja assim como a violação do Acordo Humanitário de Cessar-fogo de N'djamena (Tchad) e os Protocolos de Abuja.
O CPS apelou a todos os parceiros internacionais para apoiarem fortemente a posição da UA em todo o processo de paz de Darfur.
O acordo da paz a ser alçançado para Darfur deve ser coerente com a Constituição Interina do Sudão e com a Declaração de Princípios adoptada pelas partes em Abuja durante a primeira ronda das negociações.
No termo da sexta ronda das negociações a 20 de Outubro de 2005, as partes em conflito em Darfur, designadamente o governo sudanês, o SLM/A e o Movimento de Justiça e Igualdade (JEM), prometeram fazer progressos decisivos na ronda seguinte.
Num relatório sobre a preparação da sétima ronda das negociações, a UA observa que o processo de paz de Darfur atingiu actualmente uma fase importante que necessita de esforços combinados para se consolidar.
De acordo este documento, as divisões internas, particularmente entre a liderança política do SLM/A, os ataques contra as forças da Missão da UA no Sudão (AMIS) e contra comboios humanitários, os bandidos armados e os abusos dos direitos humanos são fontes de maior preocupação.

23 Novembro 2005 18:49:00




xhtml CSS