UA elege novos membros do Conselho de Paz e Segurança

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- A União Africana (UA) elegeu a Argélia, Angola, a Etiópia, o Gabão e a Nigéria como novos membros do Conselho de Paz e Segurança (CPS), encarregues do pesado mandato de reforçar os esforços para entravar os conflitos e consolidar a reconciliação.
Os novos membros foram eleitos durante uma reunião especial do Conselho Executivo, composto por ministros dos Negócios Estrangeiros dos 53 países membros da União, no termo duma selecção e dum processo de verificação rigososo que se alastrou até sábado à noite.
Os novos membros deverão servir o continente durante três anos e poderão ser elegíveis para um novo mandato uma vez expirado o anterior.
São todos novos membros, excepto Angola cujo mandato foi renovado para três outros anos.
A eleição dos membros do Conselho de Paz e Segurança baseia-se num conjunto de regras de avaliação severas, incluindo a condição para o Estado candidato de dispor de missões permanentes totalmente equipadas e dotadas do pessoal em Addis Abeba (sede da UA na Etiópia) e em Nova Iorque (sede da ONU nos Estados Unidos).
"Estes novos membros deverão representar as suas regiões respectivas.
São todos novos membros do CPS", declarou domingo à PANA um porta-voz da Comissão da UA.
Angola foi eleita para representar a região da África Austral enquanto a Argélia representa a região da África do Norte.
O Gabão fala em nome da África Central, ao passo que a Nigéria responde pela região da África Ocidental devendo a Etiópia representar agora a região da África Oriental.
O CPS é um órgão da UA encarregue de proteger África dos conflitos.
O seu mandato é velar para que "os palcos de conflitos potenciais" sejam neutralizados antes de não degenerar em grandes conflitos.
De acordo com o tratado de 2004 relativo à criação do CPS, 10 dos seus 15 membros são eleitos para dois anos e cinco para um mandato de três anos a fim de dotar o continente duma estratégia de defesa.
O Presidente da Comissão da UA, Alpha Oumar Konaré, lembrou ao Conselho Executivo que se deve envolver na resolução dos conflitos, reafirmando que a política de não indeferença da UA suscitou a estabilidade e o orgulho da organização.
Além disso, Konaré sublinhou que o Conselho de Paz e Segurança ainda se deve esforçar para fazer com que os "palcos de conflitos" já não existam no continente.
Os representantes da sociedade civil africana, que participam na cimeira, acolheram bem os novos designados, sublinhando que países como a Nigéria, possuem um bonito palmarés em matéria de busca de soluções para os conflitos em África, particularmente na região de Darfur, no oeste do Sudão.
"A Oxfam (Organização Não Governamental britânica) saúda a eleição dos novos membros do CPS e pede-lhes para actuar com urgência a fim de assegurar a protecção dos civis em Darfur", declarou Houghton Irungu, conselheiro para a política panafricana da Oxfam.
"Os novos membros representam países que fornecem tropas e igualmente países que procuraram pôr termo ao conflito", concluiu.

28 Janeiro 2007 15:45:00




xhtml CSS