UA elege novo presidente da Comissão

Addis Abeba- Etiópia (PANA) -- A designação dum novo presidente da Comissão da União Africana (UA) preocupa visivelmente as autoridades do Secretariado da instituição na véspera da abertura da Oitava Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo, embora nenhuma região do continente tenha anunciado oficialmente a intenção de apresentar um candidato, constatou o enviado especial da PANA.
De acordo com os ministros e os embaixadores reunidos na capital etíope, a eleição do novo presidente da Comissão da UA continua a ser uma fonte de "transacções e incitações discretas".
"É uma questão que vai preocupar-nos muito, pois ninguém apresentou candidato.
Ninguém mostrou seriamente as suas intenções de se candidatar", disse um diplomata que pediu anonimato.
O Comité dos Representantes Permanentes da UA, que integra diplomatas acreditados na organização continental, acaba de terminar uma reunião de dois dias destinada a estabelecer as regras do jogo para a eleição dum novo presidente da Comissão.
"Esta eleição vai certamente preocupar-nos durante esta esssão e a próxima", disse o diplomata, visivelmente preocupado com facto de nenhum país ter até agora apresentado um candidato.
De acordo com a mesma fonte, os Presidentes africanos pretendem propor um novo mandato a Alpha Oumar Konaré, que preside à Comissão da UA desde 1999, ano em que a Organização da Unidade Africana (OUA) se transformou em União Africana.
O órgão panafricano poderá atravessar grandes mutações este ano, quando se sabe que a maioria dos líderes chaves da União vão disputar eleições nos seus respectivos países e outros que participaram na criação da UA já cumpriram dois mandatos e deverão retirar-se do poder.
A reunião dos ministros africanos dos Negócios Estrangeiros, mais conhecida sob o nome de Conselho Executivo, iniciou-se quinta-feira e termina sexta-feira depois do exame e das recomendações sobre as modalidades de eleição aos postos da Comissão.
O ex-presidente moçambicano, Joaquim Chissano, é considerado na capital etíope com um candidato sério à substituição de Alpha Konaré.
Um diplomata sul-africano indicou que o seu país gostaria de apresentar candidatos a alguns postos da Comissão, excepto o da Presidência.
"Penso que Konaré disse claramente que já não se candidatará.
Os Presidentes africanos devem apenas encontrar-lhe um outro substituto", sugeriu um diplomata angolano.
Com um outro tom, o Sudão volta ainda na cena para disputar o posto de Presidente em exercício da União Africana, mas alguns diplomatas defendem que as razões pelas quais o Presidente sudanês El Bachir foi descreditado no ano passado figuram na actualidade.
Segundo o regulamento da UA, o Sudão tem direito ao posto de Presidente em exercício da organização continental, mas há várias contestações durante as reuniões sobre a eventualidade duma nova candidatura do país, enquanto persiste o problema de Darfur, afirmou um diplomata twsanês.
O ministro queniano dos Negócios Estrangeiros, Raphael Tuju, declarou na semana passada que os problemas no Sudão estão na origem da rejeição da sua oferta de envio de tropas de manutenção da paz à Somália.

26 Janeiro 2007 09:49:00




xhtml CSS