UA defende segurança alimentar para erradicar pobreza

Sirtes- Líbia (PANA) -- A comissária da União Africana (UA) para a Economia Rural e Agricultura, Tumusiine Rhoda Peace, defendeu, durante uma conferência de imprensa segunda-feira em Sirtes, a necessidade da segurança alimentar para erradicar a pobreza.
Neste quadro, os Governos africanos se comprometeram em 2003, através do Programa Pormenorizado para a Agricultura e Desenvolvimento em África (PDDAA), a aumentar os seus investimentos públicos de 4,5 para 10 por cento do seu orçamento nacional.
Este aumento dos orçamentos deverá causar um crescimento de 6 por cento no sector agrícola, que ocupa entre 50 e 80 por cento da população africana.
Para tal, a comissária da UA para a Agricultura afirmou que a segurança alimentar apenas pode ser atingida que se houver investimento e pesquisa agrícola, em relação com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e a Comissão Económica Africana (CEA).
Estratégias foram instauradas pelo PDDAA para produzir mais e permitir à população africana enfrentar o desafio da fome e da pobreza.
Mas, constatou Tumusiine Rhoda Peace, os investimentos públicos destinados à agricultura baixaram e os preços aumentaram num contexto de mudança climática.
"É preciso inverter a tendência porque a factura das importações agrícolas é muito importante e corre o risco de impedir o desenvolvimento da agricultura em África", recomendou.
"Inundamos os mercados estrangeiros ao invés de nos orientarmos para as trocas intraafricanas.
Os produtos produzidos em África destinam- se aos países ocidentais onde eles são transformados e revendidos muito caro em África", deplorou.
A comissária da União Africana para a Economia Rural e Agricultura preconizou uma política de integração através dum sistema de troca dos produtos agrícolas entre os países africanos.

30 Junho 2009 13:55:00




xhtml CSS