UA condena morte de dois ex-líderes rebeldes em Darfur

Cartum, Sudão (PANA) - A União Africana (UA) qualificou segunda-feira a morte de dois ex-líderes rebeldes que subscreveram o processo de paz em Darfur "de ato cobarde" visando dissuadir os outros movimentos de se juntar ao processo de paz.

Um comunicado da Comissão da UA indica que a presidente da Comissão, Nkosazana Dlamini Zuma, soube com "profunda tristeza" da emboscada e da morte, a 12 de maio de 2013, na fronteira entre o Tchad e o Sudão, do líder do Movimento Justiça e Igualdade-Sudão (JEM-S), o comandante Mohamed Bashar, do seu adjunto Suleiman Arko Dahiya e de vários outros membros do JEM-S que se deslocavam a Darfur para uma missão de paz.

O comunicado indica que a presidente da Comissão da UA lembra que Mohamed Bashar e o seu movimento optaram pela paz assinando, a 6 de abril passado, em Doha, no Qatar, um acordo com o Governo do Sudão.

"A presidente da Comissão condena veementemente este ato criminoso que visa dissuadir os outros grupos em Darfur de se juntar ao processo de paz", indica o documento.

A nota acrescenta que a UA exorta o Governo do Sudão, com o apoio da Missão Conjunta Nações Unidas/União Africana em Darfur  (UNAMID) a levar os seus autores à Justiça.

-0- PANA MO/VAO/ASA/TBM/MAR/IZ 14maio2013

14 may 2013 09:15:24




xhtml CSS