UA acusa governo sudanês de colaborar em ataque contra civis

Cartum- Sudão (PANA) -- O governo sudanês negou as acusações da União Africana (UA) de colaborar com milícias árabes para atacar na semana passada civis indefesos na conturbada província de Darfur (oeste do Sudão).
  O chefe da Missão da UA no Sudão (AMIS) Bana Kingibe disse no fim-de-semana em conferência de imprensa em Cartum que as forças do governo sudanês coordenaram os ataques das milícias árabes (Janjaweed) que causaram a morte de mais de 30 deslocados no campo Aro Sharow em Darfur.
Kingibe, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros da Nigéria, acusou os dois lados, actualmente em negociações de paz em Abuja patrocinadas pela UA, de violação do cessar-fogo.
Cartum negou estar a apoiar os Janjaweeds, que considera de criminosos.
Reagindo à acusação da UA, o sub-secretário sudanês dos Negócios Estrangeiros Mutrif Sideiq disse domingo em conferência de imprensa que "a imprensa não é o lugar certo para falar da questão de Darfur ou de como resolvê-la.
Existem comités mistos e mecanismo para isso".
  Sideiq ressaltou que "tal declaração (da UA) não vai ajudar a resolver o problema (de Darfur)", precisando, porém, que o governo "vai investigar os últimos ataques atribuídos aos Janjaweed.
  A UA possui cinco mil e 600 tropas em Darfur para monitorar o cessar-fogo entre o governo de Cartum e os rebeldes da província.
   O conflito de Darfur terá causado 180 mil mortos e dois milhões de deslocados desde que os rebeldes lançaram em Fevereiro de 2003 uma guerra separatista contra o governo.

03 Outubro 2005 15:15:00




xhtml CSS