Togo lança campanha de remobilização da produção algodoeira

Lomé, Togo (PANA)    - A Nova Empresa Algodoeira do Togo (NSCT) iniciou esta semana uma  campanha de remobilização dos produtores para a aceleração da evolução da produção de algodão, soube a PANA esta segunda-feira de fontes agrícolas em Lomé.

Desde 2013,  este setor optou por uma orientação estratégica e quer enfrentar o desafio  de produzir 200 mil toneladas de algodão-grão até 2022.

Assim, nesta lógica, a campanha de 2017 a 2018 opta por uma operação de sedução junto dos produtores.

Segundo o diretor-geral da NSCT, Nana Adam Nanfamé, esta campanha permitirá lançar discussões francas com os produtores através duma comunicação descentralizada  levada a cabo junto dos camponeses das zonas e dos agrupamentos de produtores de algodão e de potencialidade de cultura de algodão.

Para 2017-2018, a NSCT visa 160 mil toneladas de algodão-grão.

A campanha de 2016 a 2017, em curso, mas que termina em abril corrente, espera pelo menos 100 mil toneladas, indica a NSCT.

Segundo cifras oficiais da NSCT, o mais alto desempenho em matéria de produção algodão-grão na história do setor algodoeiro togolês é de 18 mil e 800 toneladas em 1998-1999.

As seis  últimas campanhas deram resultados diversos.  Entre 2009 e 2011, a produção passou de 28 mil para  46 mil toneladas.

De 2011 a 2014, a produção passou para 79 mil toneladas, depois para 80 mil toneladas antes de diminuir  para 78 mil toneladas em 2013-2014.

Para a campanha de 2014 a 2015, houve uma progressão para 114 mil toneladas, enquanto a de 2015 a 2016 registou uma diminuição na produção para 100 mil toneladas  de algodão-grão.

-0- PANA FAA/TBM/FK/IZ 3abril2017

03 Abril 2017 13:45:03


xhtml CSS