Timor-Leste acolhe XII edição dos jogos juvenis da CPLP

São Tomé, São Tomé e Príncipe (PANA) – Os XII jogos juvenis desportivos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) decorrerão em Timor-Leste em 2020, soube a PANA em São Tomé.

“Timor-Leste é uma jovem nação. Ele tem suas dificuldades mas vamos esforçar-nos para fazer o melhor possível”, declarou no fim de semana João dos Santos, diretor-geral da Secretaria do Estado da Juventude e Desporto de Timor Leste, no encerramento dos XI jogos juvenis da CPLP realizados nas ilhas lusófonas de São Tomé e Príncipe, de 21 a 28 de julho corrente.

Timor-Leste, que participou nestes jogos, nas disciplinas de atletismo, de voleibol de praia e de futebol, ficou na última posição.

O primeiro-ministro são-tomense, Patrice Trovoada, que fez o lançamento deste jogos em janeiro último, prometeu no encerramento do evento empenhar-se à altura de Portugal para ajudar Timor Leste a organizar a edição XII em 2020.

“De igual forma, ao assumir agora a presidência da conferência da CPLP, eu quero dizer que São Tomé e Príncipe irá continuar nos passos de Portugal que assumiu uma presidência memorável, continuar a trabalhar para o desenvolvimento do desporto, mas sobretudo para que a nossa juventude possa crescer cada vez mais em condições melhores”, acrescentou Patrice Trovoada.

Por sua vez, Paulo Rebelo de Sousa, secretário de Estado da Juventude e Desporto de Portugal, presidente cessante, há dois anos, deste órgão, disse que os próximos organizadores dos jogos têm que se esforçar para manter este nível.

"Tenho a certeza contudo que Timor Leste estará à altura de voltar a organizar os jogos bem-sucedidos como os de São Tomé e Príncipe”, concluiu.

A XI edição dos jogos juvenis da CPLP reuniram na capital são-tomense 350 atletas, 150 técnicos e médicos juízes, exceto os da Guiné-Equatorial, pais vizinho de São Tomé e o mais recente membro da CPLP.

Dos oito Estados membros participantes, Portugal ficou no primeiro lugar na classificação geral com 25 medalhas, das quais 12 de ouro, oito de prata e cinco de bronze, seguido por Moçambique com 23 medalhas, das quais 12 de ouro, quatro de prata e sete de bronze.

Seguem Cabo Verde com 18 medalhas, das quais quatro de outro, seis de prata e oito de bronze, Angola com 16 medalhas, das quais seis de ouro, sete de prata e três de bronze, o Brasil com oito medalhas, das quais quatro de ouro, duas de prata e duas de bronze, Guiné-Bissau com duas de bronze, e Timor-Leste com uma de prata.

-0- PANA RMG/DD 31julho2018

31 july 2018 10:15:22


xhtml CSS