Sul-africanos prontos para "funeral do século"

Joanesburgo, África do Sul (PANA) - A África do Sul está ainda sob o choque provocado pela morte de Nelson Mandela, mas os preparativos continuam para organizar "o funeral do século", segundo as próprias declarações de alguns responsáveis governamentais.

Grandes multidões concentraram-se sábado diante da residência de Mandela em Joanesburgo, apesar da transferência dos seus restos mortais para Pretória de onde a urna rumará para o Cabo Oriental.

O programa das exéquias arrancou no mesmo sábado com milhares de pessoas a marcarem presença numa cerimónia de deposição de coroas de flores num parque de Joanesburgo.

O Presidente Jacob Zuma anunciou que uma cerimónia nacional em memória de Mandela vai decorrer terça-feira em Soweto.

O seu corpo será exposto durante três dias em Pretória antes do funeral de Estado previsto para domingo próximo na sua região natal de Qunu, no Cabo Oriental.

Numerosos líderes do mundo inteiro, incluindo o Presidente americano Barack Obama e a sua esposa Michelle assistirão às exéquias.

Os antigos Presidentes George W Bush e Bill Clinton confirmaram igualmente a sua presença, bem como o primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, e a Presidente do Brasil, Dilma Rousseff.

Embora a morte de Mandela não tenha surpeendido ninguém, devido à sua saúde crítica há meses, as autoridades vão ter certamente que fazer face ao pesadelo logístico de acolher ao mesmo tempo milhares de estrangeiros.

O Governo sul-africano e as embaixadas estrangeiras já reservaram os quartos de hotéis para fazer face à procura.

A companhia aérea South African Airways (SAA) confirmou, num comunicado, que vai transportar as pessoas vindas às exéquias e que estará igualmente disponível para o seu voo de regresso.

A companhia revelou igualmente que estes voos especiais não vão substituir nem perturbar as atividades diárias com destino ao Cabo Oriental.

-0- PANA CU/VAO/NFB/JSG/SOC/MAR/IZ 08dez2013

08 Dezembro 2013 13:27:55




xhtml CSS