Sudão autoriza presença de Amnistia Internacional em Darfur

Nairobi- Quénia (PANA) -- O governo sudanês autorizou uma equipa da Amnistia Internacional (AI) a visitar a região de Darfur (oeste do Sudão) sacudida pela guerra, indica um comunicado da ONG humanitária tornado público segunda-feira.
A equipa que integra alguns membros da AI e um grupo de pesquisadores provenientes da África do Sul e dos Estados Unidos será chefiada pela secretária-geral da AI, Irene Kan.
Visitará a região terça-feira para inquéritos sobre relatórios de violações maciças dos direitos humanos e auscultará vítimas deste conflito que dura, há 18 meses, antes de se avistar com os representantes dos organismos internacionais e ONG que operam no local.
A missão procederá posteriormente à associação de informações recolhidas junto dos membros do governo sudanês, lê-se no comunicado.
A delegação incluírá, entre outras personalidades, William Snhulz, director da Amnistia Internacional Estados Unidos, Samkelo Mokhine, presidentre da AI África do Sul e Erwin Van der Borght, director adjunto do Programa Regional África.
Os pesquisadores Elisabeth Hodgkin, Lamri Chirouf, assim como a conselheira para as relações públicas, Judith Arena, e Selina Nelte, da equipa audiovisual, farão também parte desta delegação que ficará durante sete dias no Sudão.
A delegação visitará Cartum e as capitais de três Estados de Darfur, designadamente al-Jeneina, Nyala e al-Fasher, para investigar sobre a amplitude das violações dos direitos humanos, violações e deslocações das populações.
Cartum é acusado de ter armado as milícias árabes Djandjawid que teriam assassinado civis, violado mulheres e saqueado aldeias, alegações que o governo sudanês continua a negar.
No entanto, a AI indica que 200 mil pessoas foram obrigadas a procurar refúgio nos Estados vizinhos e 30 mil outras assassinadas durante confrontos.

13 Setembro 2004 23:43:00




xhtml CSS