Sociedade civil senegalesa exige ratificação de Protocolo da UA

Dakar- Senegal (PANA) -- Os países africanos deverão ratificar o Protocolo da Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos sobre os Direitos das Mulheres para acelerar a promoção do género no continente, defendeu no fim-de-semana em Dakar a presidente da Associação Mulher África Solidariedade (FAS), Binta Diop.
Falando durante a entrega solene do Protocolo da Carta ao primeiro- ministro senegalês, Macky Sall, na cerimónia de encerramento da Conferência Ministerial sobre a Apropriação e Aplicação da Declaração da União Africana (UA) sobre a Igualdade e Equidade do Género em África, Diop defendeu a ratificação deste instrumento jurídico.
As organizações femininas da sociedade civil "desejam que o Presidente senegalês, Abdoulaye Wade, apresente e defenda este Protocolo diante dos seus homólogos africanos na próxima cimeira da UA para a sua ratificação por vários países do continente".
Cabo Verde, as ilhas Comores, o Djibuti, a Gâmbia, a Líbia, o Lesoto, o Mali, o Malawi, a Namíbia, a Nigéria, o Ruanda, a África do Sul e o Senegal já ratificaram o Protocolo da Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos sobre os Direitos das Mulheres.
"Que os Estados que ratificaram o Protocolo com reservas levantem estas restrições e que os outros Estados a ratifiquem imediatamente para que todas as mulheres do continente possam beneficiar deste instrumento susceptível de favorecer um desenvolvimento sustentável", recomendaram as organizações femininas numa declaração denominada "Compromisso de Dakar".

17 Outubro 2005 10:26:00


xhtml CSS