Sindicatos contra fim da interdição de exportações na Guiné-Conakry

Conakry- Guiné-Conakry (PANA) -- O secretário-geral do Sindicato Livre dos Professores e Investigadores da Guiné-Conakry (SLEG), Louis M'Mbemba Soumah, defendeu terça-feira a manutenção da interdição da exportação de produtos agrícolas e de pesca do país.
Um acordo tripartido, assinado após o fim da greve geral de Janeiro e Fevereiro de 2007, proibiu a saída do território nacional dos produtos agrícolas e de pesca para que as populações possam aceder a estes bens sem dificuldades.
"Estes acordos continuam válidos até prova em contrário (.
.
.
) As populações não são correctamente abastecidas e os preços só aumentam no mercado local.
Nestas condições, não se pode ab-rogar a lei que proíbe a exportação dos produtos", sublinha o secretário-geral do SLEG.
O Governo indicou recentemente que o acordo em causa comportava inconvenientes.
"Este acordo já não está formalmente em vigor.
Além disso, não está em conformidade com o protocolo de acordo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) que consagra a livre circulação de pessoas e bens", sulinha um comunicado do Conselho de Ministros.
Neste documento, o Governo defende a anulação daquele decreto, mas deseja, no quadro da parceria com os sindicatos, que os parceiros sociais sejam informados sobre a decisão antes da sua publicação.

29 Julho 2008 14:20:00


xhtml CSS