Sindicatos conakry-guineenses exigem notícias de Dadis Camara

Conakry- Guiné (PANA) -- Os sindicatos da Guiné-Conakry querem ser informados sobre o verdadeiro estado de saúde do chefe da junta no poder, o capitão Moussa Dadis Camara, hospitalizado em Marrocos desde a 4 de Dezembro corrente, após ter sido baleado na cabeça.
Oito centrais sindicais dirigiram uma carta aberta ao general Sékouba Konaté, que subsituiu provisoriamente o capitão Dadis Camara, exigindo dele "informações fiáveis" sobre o estado de saúde deste último.
Os cossignatários desta missiva estimam que o silêncio prevalecente em torno da saúde do chefe da junta é "uma flagrante falta de respeito para com o povo" e "cria um mal-estar fomentado por declarações sem fundamento médico".
Os sindicatos pedem, por outro lado, "a redinamização da administração e a aceleração do processo de transição".
Denunciam igualmente a criação de diversas barreiras ao longo de estradas nacionais e a degradação geral da segurança no país.
Os sindicatos ameaçam iniciar manifestações de protesto pacífico a partir de 5 de Janeiro próximo, se nada for feito para resolver efectivamente as preocupações dos Conakry-Guineenses.
O chefe da junta guineense está internado no Hospital Militar Mohamed V de Rabat, em Marrocos, onde foi operado, após ter sido baleado na cabeça a 3 de Dezembro corrente pelo seu ajudante de campo, o tenente Aboubacar Diakité, no seio do Batalhão Autónomo da Segurança Presidencial.

31 Dezembro 2009 19:42:00


xhtml CSS