Sindicato de Jornalistas da Mauritânia deplora atentados à liberdade de imprensa

Nouakchott, Mauritânia (PANA) - O Sindicato dos Jornalistas da Mauritânia (SJM) denuncia atentados à liberdade de imprensa e advoga a preservação das conquistas alcançadas nesta matéria.

Num documento divulgado quinta-feira por ocasião da celebração do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, o SJM deplora o caso de Ishaq Ould Moctar, um jornalista mauritano  raptado e levado em parte incerta na Síria, há vários anos, por um grupo não identificado.

O SJM mencionou igualmente a ausência de jornalistas em detenção, exprimindo uma viva preocupação em relação ao caso de vários jornalistas agredidos quando cobriam eventos relativos à organização do referendo constitucional de 5 de agosto de 2017.

Do comunicado constam ainda a colocação, sob controlo judicial, de quatro jornalistas, há vários anos, a despedimento compulsivo de jornalistas pela imprensa pública e a recusa da mesma imprensa de assinar cadernos de encargos relativamente ao emprego deste pessoal.

O SJM deplora igualmente "a ausência" duma ajuda pública "consequente" à imprensa privada.

-0- PANA SAS/IS/MAR/DD 04maio2018

04 Maio 2018 10:08:50


xhtml CSS