Sessenta por cento de Congoleses fazem automedicação

Kinshasa- RD Congo (PANA) -- Mais de 60 por cento de Congoleses na RDC praticam a automedicação nos seus lares por falta de meios para pagarem uma consulta médica, indicou à imprensa o Dr Bidimu Kabuya, director de um centro médico privado em Kinshasa.
Numa entrevista concedida esta semanaà imprensa, o médico revela que segundo as estatísiticas, numerosos pacientes registados nos seus centros tomam ervas medicinais ou produtos farmacéuticos consoante as sintomas, sem se preocuparem em consultar um médico especialista para um teste, a fim de se determinar, ao certo, a doença de que padecem.
O Dr Bidimu sublinhou que esta prática está na base das consequências nefastas no doente, principalmente a resistência de certas doenças tratadas sem o mínimo respeito pela dose de ervas medicinais.
Convidou o governo congolês a reforçar o mecanismo de cuidados primários, com a colaboração dos actores da sáude, para ajudar a população a comportar-se bem no domínio da sáude.
Segundo ele, 15 por cento de pacientes tratados no seu centro médico, para os casos de hemorróides, esterilidade e diabete, não foram curados por terem tomado medicamentos a seu bel-prazer.
O centro médico do Dr Bidimu, criado em 1963 na província do Kasaï ocidental, está implantado em Kinshasa, a capital da RDCongo, desde 1978, e especializou-se em métodos de exames com base na saliva.

08 Fevereiro 2003 13:44:00


xhtml CSS