Senegal acolhe 68ª sessão do Comité Regional da OMS para África

Dakar, Senegal (PANA) - Ministros da Saúde e altos funcionários de 47 países africanos reúnem-se, de 27 a 31 de agosto corrente, em Dakar, no Senegal, para a 68ª sessão do Comité Regional da Organização Mundial da Sáude (OMS) para África.

O encontro abre com o lançamento de um novo relatório sobre o estado da saúde em África, na presença de mais de 400 delegados, incluindo o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus; o diretor regional da OMS para África, Matshidiso Moeti; e representantes de agências da ONU, fundos e programas, da sociedade civil, das organizações multilaterais e parceiros de desenvolvimento.

De acordo com uma declaração do Escritório Regional da OMS para a África, o Relatório sobre o Estado da Saúde em África oferece uma atualização abrangente sobre o estado da saúde, os serviços relacionados e o desempenho dos sistemas de saúde e seu impacto.

O Relatório observa que as pessoas em África ainda têm acesso a uma gama muito limitada de serviços, uma situação contrária às expetativas de cobertura universal de saúde.

Adolescentes e idosos em África são particularmente excluídos, porquanto os países não garantem efetivamente que os serviços estejam centrados na pessoa e responsivos, indica o documento.

Segundo o relatório, uma análise do desempenho do sistema de saúde na região mostra que o seu desempenho chega à quase metade (49%) da sua capacidade total.

O acesso a serviços essenciais e a resiliência de sistemas de acidentes são as variáveis ​​mais críticas que limitam o desempenho do sistema.

Só em 2017, foram notificados mais de 150 mil casos de cólera, incluindo três mortes, em 17 países da região africana. Os participantes discutirão sobre propostas para eliminar a cólera até 2030.

Elas incluem o fortalecimento da vigilância epidemiológica e laboratorial, o mapeamento de áreas em tempo útil, o fortalecimento de parcerias e o engajamento da comunidade, aumentando investimentos em água potável e saneamento para as comunidades mais vulneráveis ​​e promoção da pesquisa.

Os delegados também examinarão os desafios e as ações propostas pelos Estados-membros e parceiros para lidar com o lento progresso na abordagem da disseminação de doenças não transmissíveis (DNT) na região.

A necessidade de garantir que as pessoas tenham acesso a medicamentos é uma das questões da agenda, entre outras.

Apesar do progresso no acesso ao tratamento e prevenção de algumas doenças nos últimos anos, muitos países ainda estão a lutar para garantir acesso total aos produtos de saúde de que suas populações necessitam.

Além disso, o aumento das doenças não transmissíveis (como cancro e diabetes), os sistemas de saúde subfinanciados e o alto custo dos novos produtos médicos prejudicam o compromisso dos governos de reduzir os gastos pessoais com medicamentos e medicamentos e outros serviços de saúde.

Algumas das recomendações a serem consideradas são a necessidade de políticas farmacêuticas mais rigorosas, melhor controlo de qualidade dos produtos médicos e colaboração na compra de produtos para a saúde.

O Comité Regional, o órgão dirigente da OMS na Região Africana, analisa o trabalho da OMS na região e fornece orientações sobre medidas para melhorar a situação da saúde nos Estados-membros.

-0- PANA MA/JSG/IZ 25Agosto2018

25 août 2018 15:46:32


xhtml CSS