Secretário-Geral da ONU preocupado com alegadas violações sexuais em Darfur

Nova Iorque, Estados Unidos (PANA) – O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, declarou-se profundamente preocupado com as alegações persistentes de violações sexuais  em massa em Tabit, no norte de Darfur, e exortou o Governo sudanês a conceder um acesso sem obstáculos à cidade para que os investigadores possam verificar estas informações.

Num comunicado publicado esta terça-feira em Nova Iorque, Ban exprime a sua preocupação baseada no facto de que mesmo após intensas consultas com o Governo de Cartum e com as autoridades locais em Darfur aos investigadores sobre os relatos foi recusado domingo último o acesso à cidade de Tabit.

No corrente de novembro, alegações de violações sexuais em massa de 200 mulheres e raparigas numa cidade do norte de Darfur  suscitaram preocupações nesta província sudanesa assolada pela guerra, enquanto a Missão Conjunta das Nações Unidas e da União Africana em Darfur (MINUAD) continua os seus esforços para determinar o que aconteceu.

A MINUAD visitou Tabit a 9 de novembro corrente, mas a forte presença de militares e de polícias tornou o inquérito difícil.

« Apenas um inquérito aprofundado pela MINUAD permitirá esclarecer estas alegações graves », declarou o Secretário-Geral da ONU, exortando o Governo do Sudão a conceder um acesso sem obstáculos à MINUAD,  sem mais tardar, a Tabit e à sua população para que estes relatos possam ser verificados.

Ele afirmou que a MINUAD pediu de novo acesso a Tabit e enviará imediatamente uma equipa quando este acesso for concedido.

A província de Darfur registou um ressurgimento de tensões nestes últimos meses.  Em outubro último, um ataque à MINUAD por militantes armados matou três soldados da paz.

A ONU afirma que quase 385 mil pessoas foram deslocadas pelo conflito que opõe o Governo do Sudão aos movimentos armados em Darfur desde o início de 2014.

A organização mundial apelou por várias vezes a todas as partes para se juntar às negociações visando chegar a um cessar-fogo permanente e a uma paz global para a população de Darfur, que vive este conflito desde 2003.

A MINUAD, criada oficialmente em 2007, foi mandatada para proteger os civis, apoiar a ajuda humanitária, controlar e verificar a aplicação dos acordos, contribuir para a promoção dos direitos humanos e a supremacia do direito e ajudar na reconciliação política após a guerra civil que eclodiu em 2003 entre o Governo do Sudão, as milícias e outros grupos rebeldes armados.

-0- PANA AA/SEG/AKA/JSG/IBA/FK/TON 18nov2014

18 Novembro 2014 18:27:01




xhtml CSS