Sarkozy defende julgamento de responsáveis da crise em Darfur

Paris- França (PANA) -- O candidato da União para a Maioria Presidencial (UMP) à segunda volta das eleições presidenciais de domingo próximo em França, Nicolas Sarkozy, advogou em Paris que os líderes sudaneses devem ser julgados pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) pelas suas responsabilidades na crise em Darfur, província ocidental do Sudão.
"O que se passa em Darfur é um escândalo sem precedentes.
Os líderes sudaneses devem responder por estes actos diante do TPI", afirmou Sarkozy durante um debate com Ségolène Royal, a sua adversária do Partido Socialista (PS) na segunda volta do escrutínio.
"Não podemos e não devemos deixar as coisas prosseguir em Darfur", acrescentou Sarkozy.
Intervindo sobre esta questão, Royal ameaçou apelar para o boicote dos Jogos Olímpicos de 2008 em Pequim se a China "continuar a dar o seu apoio indefectível a Cartum em troca de petróleo".
"O Governo sudanês despreza a comunidade internacional porque beneficia do apoio das autoridades chinesas.
Devemos exercer pressões sobre a China para modificar a sua posição sobre Darfur", afirmou a candidata socialista, defendendo a ameaça do boicote.
"Se a solução passar pelo boicote, devemos fazê-lo", acrescentou.
Sarkozy e Royal assinaram, a pedido de "Urgência Darfur", um colectivo de Organizações não Governamentais francesas, uma "Declaração de Compromisso" que obriga o futuro Presidente francês "a fazer o máximo para resolver a crise em Darfur".

04 Maio 2007 10:54:00




xhtml CSS