São Tomé e Príncipe apreende medicamentos nas ruas

São Tomé- São Tomé e Príncipe (PANA) -- As autoridades são- tomenses lançaram uma campanha contra a venda de medicamentos nos passeios da cidade capital e outros locais ilegais, soube a PANA de fonte oficial.
A campanha, que começou quarta-feira, surge na sequência da morte na semana passada de dois irmãos no distrito de Lobata (a 15 km da capital do país) por intoxicação medicamentosa, depois de terem ingerido comprimidos comprados nestes locais.
A operação, que está a ser levada a cabo pelas autoridades sanitárias, forças policiais e agentes da inspecção das actividades económicas, teve o seu ponto de partida na principal praça comercial de São Tomé, a Avenida Giovane, onde pelo menos duas pessoas foram detidas.
No entanto, os vendedores ambulantes insistem em desafiar as autoridades que, para sanar o mal, prometem estender a campanha ao aeroporto e ao porto da cidade, que são os únicos pontos de entrada e saída do país.
Os próprios vendedores denunciaram a origem dos medicamentos, acusando os importadores, na sua maioria cidadãos nigerianos, de fornecerem os produtos.
Segundo fontes seguras, na rede de venda de medicamentos importados de forma ilegal estão implicadas algumas clínicas oficiais e estabelecimentos comerciais.
Entretanto, o líder da campanha, o médico Gilberto Frota, delegado do distrito de Água Grande, apelou a população a evitar a compra de medicamentos fora do circuito legal uma vez que estes são mal acondicionados, sofrem alterações na sua composição e provocam mortes.

26 Junho 2003 19:32:00


xhtml CSS