Resolução da ONU sobre Côte d'Ivoire não vai funcionar, diz Gbagbo

Abidjan- Côte d'Ivoire (PANA) – O chefe de Estado -ivoiriense, Laurent Gbagbo, declarou domingo em Abidjan que a última Resolução 1721 do Conselho de Segurança das Nações Unidas que prorroga por um ano o seu mandato e o do seu primeiro-ministro de transição cujas prerrogativas foram reforçadas "não funcionará".
"As diversas propostas de saída da crise que nos foram feitas há quatro anos, não funcionaram.
E a 1721 não vai funcionar também", disse Gbagbo quando presidia à cerimónia de encerramento de um período de jejum de 45 dias por ele decretado.
O chefe de Estado ivoiriense indicou ter decretado aquele período de jejum e de orações por entender que "era a última chance" e que era ncessário avisar ao seu povo que a "batalha (que se avizinha) será dura".
"O objectivo final é que o nosso país continue nosso", sublinhou.
Por esta razão, explicou, decidiu iniciar uma série de consultas com os diplomatas acreditados na Côte d'Ivoire, com as camadas socioprofissionais, religiosas, organizações sindicais e da sociedade civil assim como com as "populações das grandes regiões" para recolher os seus pontos de vista sobre o modo de tirar definitivamente o país da crise.
Recorde-se que num discurso à Nação, divulgado pela Radiotelevisão Ivoiriense (RTI), terça-feira passada, o chefe de Estado reafirmou claramente a manutenção da actual Constituição ivoiriense e a sua recusa em aceitar algumas disposições da Resolução 1721 relativas nomeadamente aos poderes acrescidos do primeiro-ministro, que constituem, segundo ele, violações à Lei Fundamental do seu país.

06 Novembro 2006 21:25:00




xhtml CSS