Refugiados mauritanos no Mali contra golpe de Estado Militar no seu país

Bamako- Mali (PANA) -- A Associação dos Refugiados Mauritanos no Mali (AREMMA) condenou vivamente quinta-feira o golpe de Estado Militar ocorrido a 6 de Agosto corrente na Mauritânia, exigindo o regresso à ordem constitucional no país assim como o restabelecimento do Presidente democraticamente eleito, Sidi Ould Cheikh Abdallahi, nas suas funções.
Num comunicado divulgado em Bamako e assinado pelo seu presidente, Cheick Oumar N'diaye, e pelo seu secretário-geral, Amadou Racine Diallo, a Associação disse recear uma eventual interrupção do processo de reconciliação nacional iniciado pelo Presidente derrubado e um bloqueio do precesso de repatriamento dos refugiados mauritanos no Mali e no Senegal.
Ela apela à Organização das Nações Unidas (ONU), à União Africana (UA), à União do Magrebe Árabe (UMA), à Liga dos Estados Árabes e ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) para velarem pelo respeito pelos acordos assinados pelo regime deposto.
A associação reclama por outro lado pelo envolvimento destas organizações a fim de garantir a segurança dos refugiados já repatriados, indica a mesma fonte.

14 Agosto 2008 20:37:00


xhtml CSS