RDR suspende participação no conselho de ministros ivoirienses

Abidjan- Côte d'Ivoire (PANA) -- O gabinete político da Coligação dos Republicanos (RDR) decidiu suspender quinta-feira à tarde em Abidjan, a participação dos sete ministros saídos das suas fileiras no Conselho de ministros e no Conselho do Governo Ivoirense de Reconciliação Nacional.
Esta decisão, que vigora a partir de quinta-feira, conforme uma declaração lida por telefone à PANA, por Cissé Bakongo, porta- voz do partido, segue-se à uma medida similar anunciada no mesmo dia pela ex-rebelião agrupada no seio das Forças Novas.
"Tomamos esta decisão no termo de uma reunião de crise, de pleno acordo com o presidente (do RDR) Alassane Ouattara.
Estimamos não haver lugar para nós num governo que assassina, viola, ao passo que a sua missão primeira é de velar pelo respeito pelos Direitos Humanos", indicou.
Cissé é igualmente coordenador do "G7", o grupo constituído por sete dos 10 partidos signatários dos acordos de Linas-Marcoussis (assinados a 24 de janeiro de 2003 em França), organizador da marcha frustrada de quinta-feira.
A tal decisão intervém no termo de uma dia de violência que terá feito mais de trinta mortos, segundo os organizadores da manifestação.
Estes últimos acusam as Forças de Defesa e de Segurança ivoirienses de ter reprimido uma "manifestação pacífica" destinada unicamente a reclamar a aplicação efectiva dos acordos de Marcoussis e de Accra II.
Do lado das forças de ordem, fontes próximas do serviço de comunicação da Presidência ivoirense mencionam três mortos, dos quais dois polícias que terão sido degolados na comuna popular de Abobo.
Com esses três mortos, Abobo pagou um pesado tributo de vidas humanas deste dia qualificado de "negro" por um responsável do Partido Democrático de Côte d'Ivoire (PDCI, ex-partido único), que liderou o movimento.

26 Março 2004 11:14:00




xhtml CSS