Quénia inicia programa de controlo das doenças hídricas

Nairobi- Quénia (PANA) -- O Instituto Queniano de Pesquisa Médica (KERMI) lançou um programa de luta contra as doenças hídricas causadas por parasitas nas crianças do ensino primário e secundário, no quadro do programa de irrigação de Mwea, no centro do Quénia.
A Agência de Cooperação Internacional Japonesa (JICA) financia este projecto que vai beneficiar cerca de 34 mil alunos que receberão cuidados gratuitos contra a amebíase, bilharziose, paludismo e febre tifóide, no decorrer dos próximos cinco anos, anunciaram domingo os responsáveis administrativos do KEMRI.
O projecto, proposto pelo Centro da África Oriental e Austral de Controlo das Parasitas (ESACIPAC), deverá beneficiar oito países da região.
Um dos seus responsáveis disse à PANA que os profissionais da Saúde de países que vão desde a Etíopia ao Botswana seriam formados na luta contra parasitas nas instalações do KEMRI em Nairobi, devendo o Mwea servir de centro de formação prática no terreno.
O coordenador da ESACIPAC, Charles Mwandwiro, declarou que os docentes das escolas participantes seriam formados para reconhecer as sintomas das doenças visadas e prescrever o tratamento apropriado aos alunos doentes.
Vão ensinar também aos alunos a educação sanitária necessária para os ajudar a prevenir estas doenças, acrescentou.

13 Outubro 2003 20:26:00


xhtml CSS