Quénia desdobra tropas perto da fronteira somalí

Nairobi- Quénia (PANA) -- O Quénia enviou tropas ao longo da sua fronteira comum com a Somália após uma deslocação massiva da população provocada pelos confrontos entre as forças governamentais apoiadas pela Etiópia e as milícias da União dos Tribunais Islâmicos (UTI) neste país assolado pela guerra.
Esta decisão segue-se a uma reunião de emergência da sub-comissão encarregue da segurança nacional, convocada no início da semana pelo Presidente queniano Mwai Kibaki para discutir a evolução da situação na vizinha Somália.
O desdobramento de tropas acontece numa altura em que violentos confrontos na cidade somalí de Kismayo, perto da antiga cidade costeira queniana de Lamu, poderão afectar o Quénia.
As forças governamentais somalís, apoiadas pelas tropas etíopes, atacaram Kismayo onde os combatentes da UTI teriam procurado refúgio depois de terem fugido da capital Mogadíscio, que ocuparam durante seis meses.
O Presidente queniano tinha precedentemente anunciado a convocação de uma reunião da Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (IGAD) sobre a Somália.
Por outro lado, a Polícia queniana deteve 10 somalís no posto fronteiriço de Liboi, norte do país, por suspeita de serem combatentes da UTI que fugiram da cidade de Kismayo.
De acordo com a Polícia, alguns suspeitos foram encontrados na posse de passaportes canadianos e de importantes somas em divisas que teriam conseguido usar para financiar os combatentes da UTI.
Os suspeitos foram transportados para o centro provincial de Garissa, no leste do Quénia, para interrogatório.
As forças de segurança queniana estão em estado de alerta desde que as forças etíopes entraram na Somália para ajudar as tropas do Governo Federal de Transição a desalojar os combatentes da UTI que controlavam a maior parte da Somália.

03 Janeiro 2007 11:27:00




xhtml CSS