Quénia advoga maior integração económica em África

Accra- Gana (PANA) -- O Presidente do Quénia, Mwai Kibaki, defendeu segunda-feira em Accra que este a formação dum Governo africano deveria ser precedido da integração económica e duma colaboração estreita em outros domínios.
Falando durante o debate sobre a formação dum Governo continental, Kibaki declarou que os quenianos estão de acordo que os africanos devem unir-se e que a formação deste Governo deve reflectir a visão e os valores dos povos africanos.
"Contudo, as opiniões são partilhas sobre o ritmo como deveria ir esta dinâmica", disse.
Afirmou que a opinião que domina sublinha a necessidade de acelerar a integração através das Comunidades Económicas Regionais (CER) que são os pilares duma África unida.
Kibaki lançou igualmente um apelo para a adopção duma posição comum sobre questões relativas às organizações internacionais, indicando que uma África unida ofereceria um mercado mais vasto com uma base mais larga de recursos naturais e humanos.
"Devemos nos unir para colher os frutos dum vasto mercado.
Além disso, a unificação do continente vai nos permitir utilizar os nossos recursos nacionais de maneira mais eficaz e útil", acrescentou, afirmando que com os seus recursos os Africanos poderão reforçar e aumentr as suas capacidades militares.
Sublinhou igualmente a necessidade de os africanos reforçarem a sua história, as suas línguas, as suas culturas e o seu património comuns, lançando um apelo para a promoção do swahili, idioma bantu com maior número de falantes (50 milhões) na África Central e Oriental.
O Presidente queniano defendeu igualmente a livre circulação de pessoas e bens no interior do continente.

03 Julho 2007 11:02:00




xhtml CSS