Produção agrícola em Cabo Verde supera 15 mil toneladas

Praia- Cabo Verde (PANA) -- A produção agrícola da campanha 2003/2004 em Cabo Verde atingiu 15 mil e 810 toneladas de cereais, mais 79 por cento em relação as 9 mil toneladas da colheita anterior, soube a PANA de fonte oficial na cidade da Praia.
No entanto, a produção de 2003/2004 representa apenas 50 por cento dum bom ano agrícola em Cabo Verde, uma vez que somente nas ilhas de Santiago e do Fogo foram registadas colheitas satisfatórias.
De acordo com um relatório preliminar duma missão conjunta CILSS/FAO, a ilha de Santiago, com 11 mil e 967 toneladas de cereais produzidos, registou um aumento de 170,5 por cento em relação à campanha 2002/2003, enquanto que na ilha do Fogo os 6 mil e 650 hectares de superfície cultivável renderam cerca de 2 mil toneladas de milho - a base da alimentação em Cabo Verde.
A produção na pequena ilha da Brava, com 266 toneladas numa área de 980 hectares, foi também considerada de aceitável.
Por outro lado, na ilha de Santo Antão, a segunda maior do arquipélago, a produção do milho foi de cerca de uma tonelada e em São Nicolau o total da colheita do milho foi de 205 toneladas.
Os dados recolhidos pela missão conjunta CILSS/FAO indicam ainda que as zonas sub-húmidas foram as que mais contribuíram para o total da produção, com 7 mil e 244 toneladas.
As regiões húmidas do arquipélago, habitualmente as zonas de maior produção, contribuíram com 6 mil e 784 toneladas de milho, enquanto que as zonas semi-áridas produziram mil e 781 toneladas.
Em Cabo Verde, mesmo nos raros anos de boas chuvas, como foi o caso do ano passado, o sector agro-alimentar só consegue cobrir cerca de 20 por cento das necessidades alimentares do país.
No entanto, o sector, apesar dos constrangimentos e da fraca partição no PIB (cerca de 12 por cento), desempenha um papel importante no tecido sócio-económico do arquipélago com cerca de 20 por cento da população activa empregada.
Devido a aleatoriedade das chuvas, técnicos ligados ao sector agrícola têm recomendado a reconversão da cultura do milho, predominante no arquipélago, mas que exige um ciclo pluviométrico muito regular, o que raramente acontece em Cabo Verde.
Em contrapartida, propõe-se uma maior aposta nos legumes e produtos hortícolas, através de programas de micro-irrigação, como via mais certa para garantir a segurança alimentar no país.

14 Fevereiro 2004 18:39:00


xhtml CSS