Primeira dama do Egipto anuncia plano de luta contra pobreza

Charm el Cheikh- Egipto (PANA) -- A primeira dama do Egipto, Suzanne Moubarak, anunciou um plano de luta contra a pobreza, convidando a África a investir na responsabilização das mulheres através da educação, das oportunidades iguais de emprego e políticas capazes de estimular as actividades renumeradoras para as mulheres.
No seu discurso domingo último, durante a conferência das mulheres sobre as realizações cumpridas até agora no quadro da luta por melhores oportunidades económicas para as mulheres africanas, Suzanne Moubarak indicou que o debate sobre o rumo das mulheres não devia ser separado do desenvolvimento social.
"Uma estratégia do género eficaz deve debruçar-se sobre as causas das disparidades e elaborar um plano director com recursos orçamentais definidos que visam as necessidades particulares das mulheres desfavorecidas (.
.
.
).
Porque se fala em mais desfavorecidas ?", estimou a esposa do Presidente Hosni Moubarak.
"A razão disto é que são elas que carregam o fardo disproporcionado da desigualdade entre homens e mulheres", sublinhou às militantes dos direitos da mulher presentes neste encontro.
Ela estimou que os Estados africanos deviam reduzir com urgência as disparidades entre homens e mulheres no que diz respeito a serviços chaves como a educação, e a saúde, e oferecer oportunidades de empregos para atingir os objectivos de luta contra a pobreza da ONU.
Segundo a primeira dama egípcia, os Estados africanos correm o risco de não cumprir com os seus compromissos assumidos no âmbito dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) das Nações Unidas, senão se preocupar com as disparidades identificadas no fornecimento dos cuidados de sáude e no acesso à educação.
"As mulheres são mais afectadas pela pobreza, pelo analfabetismo, pela doença e pela degradação do ambiente.
Conseguir reduzir as disparidades entre homens e mulheres vai traduzir-se imediatamente por ganhos rápidos em todas as frentes", disse Suzana Mubarak às participantes na reunião.
A primeira dama egípcia preconizou a criação de instituições para incentivar as mulhers a reforçarem a sua participação a todos os níveis da vida económica, política e social.
Na sua opinião, o Egipto começou a implementar uma visão nacional, baseada nestes três princípios fundamentais - principalmente a necessidade de reforçar as capacidades das mulheres, o respeito pela sua liberdade e dignidade, bem como a proteção social das mulheres e o reforço da sua autonomia.
Suzanne Moubarak revelou que o governo do Presidente Hosni Mubarak está era decidido a investir no desenvolvimento dos recursos humanos, insistindo no respeito pelos direitos constitucionais das mulheres para que sejam tratadas em pé de igualdade com os homens, seja qual for a sua situação económica.
Ela frisou, em particular, que a legislação relativa à imposição e às pensões de reforma não é neutra em termos de género reconhecendo que os homens são os principais beneficiários dos rendimentos.
"A realidade é que cerca de 20 por cento dos lares são dirigidos por mulheres na sua maioria pobres e que esta proporção aumenta.
Para que a legislação não seja discriminatória para com as mulheres, enfrentamos este fenómeno através de diversas reformas", acrescentou.

24 Junho 2008 21:22:00


xhtml CSS