Primeira Dama ugandesa sensível à mortalidade infantil devida à insalubridade

Kampala- Uganda (PANA) -- A Primeira Dama do Uganda, Jeannette Museveni, declarou-se comovida pelo número enorme de crianças africanas que morrem diariamente de doenças curáveis, como a diarreia, apenas por causa da falta de água e de saneamento básico.
"Diariamente, dois mil petizes africanos morrem de diarreia, mas o uso de latrinas com condições higiénicas poderia reduzir a taxa de mortalidade ligada a esta doença para 90 porcento", indicou a esposa do Presidente Yoweri Museveni, num comunicado divulgado segunda-feira em Kampala, à margem da 15ª Cimeira da União Africana (UA).
O encontro, em que participam 40 chefes de Estado e de Governo africanos, decorreu sob o lema "saúde materna, neonatal e infantil e desenvolvimento em África".
Não é pela primeira vez que os chefes de Estado africanos assumem compromissos de garantir serviços básicos a médio prazo, sublinha o comunicado, aludindo à cimeira de 2008 em Sharm el Sheikh, no Egito, sobre a a água e o saneamento básico.
"A cinco anos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), a meta de reduzir o número de vítimas do défice de água e de saneamento para a metade não será alcançada antes dos próximos 200 anos na África Subsariana", deplora o comunicado, citando Yunia Musaazi, da Política de Gestão de Água na África Oriental e Assistência Jurídica.

27 Julho 2010 20:37:00




xhtml CSS