Presidente zimbabweano instado a cocluir acordo político com oposição

Charm El Cheikh- Egipto (PANA) -- Os dirigentes africanos pressionaram segunda- feira em Charm El Sheikh o Presidente zimbabweano Robert Mugabe para negociar um acordo político com o Movimento para a Mudança Democrática (MDC, principal partido da oposição).
Intervindo na sessão de abertura da cimeira da Ubião Africana (UA) em Charm El Sheikh, o Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki- moon, pediu aos dirigentes africanos para perspectivarem aspectos de uma "solução política negociada" para a crise neste país da África Austral, advertindo no entanto que isto não se deve tornar numa solução permanente.
Por sua vez, a secretária-geral adjunta da ONU Asha Rose Migiro afirmou que a crise no Zimbabwe é a maior teste para os esforços dos dirigentes africanos a favor da democracia.
"É o maior desafio para o povo do Zimbabwe confrontado com uma crise extremamente grave.
É o maior desafio para a estabilidade regional da África Austral", defendeu a também ex-ministra tanzaniana dos Negócios Estrangeiros.
Para o chefe do Estado tanzaniano, Jakaya Kikwete (actual presidente em exervcício da UA), a crise zimbabweana é um assunto de preocupação para o continente, particularmente após os problemas encontrados na organização da segunda volta de 27 de Junho último no Zimbabwe.
Contudo, Kikwete elogiou o povo do Zimbabwe, mas não felicitou oficialmente o Presidente zimbabweano Robert Mugabe (pela sua vitória eleitoral contestada), que presenciou a cerimónia de abertura da cimeira nesta segunda-feira.
O presidente da Comissão da UA, Jean Ping, anunciou que este encontro proporá "soluções concretas" para os problemas do Zimbabwe e do continente africano em geral.
Mas a oposição zimbabweana declarou que só vai aceitar negociar se uma autoridade de transição for formada para o Zimbabwe com à sua frente o seu líder, Morgan Tsvangirai.
Expressando-se nessa mesma ocasião, a vice-presidente do MDC, Thokozani Khupe, declarou à PANA que os dirigentes da UA devem com toda urgência anular o escrutínio de sexta-feira última no seu país.
Na sua opinião, tratou-se mais de uma guerra que de uma eleição na qual o seu partido nãoo participou.
Khupe convidou igualmente os chefes de Estado e de Governo reunidos em Charm El Cheikh a considerarem a formação de um governo de transição no Zimbabwe como uma solução temporária.
Mugabe foi empossado no domingo último para um novo mandato de cinco anos no termo da segunda volta da eleição presidencial, boicotada pelo MDC.

30 Junho 2008 18:45:00




xhtml CSS