Presidente ruandês elogia seu país por progressos na promoção de mulheres

Dakar- Senegal (PANA) -- O Presidente ruandês, Paul Kagame, declarou quarta- feira em Dakar que o seu país fez muito em termos de envolvimento das mulheres em actividades políticas e económicas.
O desafio do Ruanda consiste em "ver como fazer mais em matéria de nomeação e de responsabilização das mulheres nas instâncias de tomada de decisões económicas, políticas e sociais", afirmou Kagame quando recebia quarta-feira em Dakar o troféu African Gender Award (Prémio Africano de Género).
"Chegámos à conclusão de que só a competência é que vale", frisou o estadista ruandês, antes de acrescentar que a história colonial e pós-colonial do Ruanda é marcada pela discriminação das mulheres e pela exclusão entre regiões.
O Presidente ruandês estimou que se perdeu muito tempo, pondo de lado as mulheres e que a política do Ruanda em matéria de promoção das mulheres consiste em três vertentes.
"Trata-se, em primeiro lugar, de envolver as mulheres em todas as actividades, de mandar reformar os textos que minavam o estatuto da mulher e de promover o desenvolvimento desta pelo acesso à educação", indicou o Presidente ruandês, dizendo ter "a honra" de ser o laureado do African Gender Award 2007.
Kagamé afirmou igualmente estar muito feliz por se juntar ao clube dos líderes africanos reconhecidos pelo seu combate a favor das mulheres, aludindo assim aos seus homólogos Thabo Mbeki da África do Sul e Abdoulaye Wade do Senegal, ambos co-laureados em 2005 da primeira edição deste galardão.
O número um ruandês deu a conhecer que entre as realizações que lhe valeram este troféu figuram o facto de as mulheres representarem 45 por cento dos assentos no Parlamento ruandês, a instauração da igualdade entre homens e mulheres em matéria de sucessão, a criação do Conselho Nacional de Promoção das Mulheres e também o facto de as mulheres constituirem 42 por cento do efectivo do Tribunal Supremo do seu país.

13 Dezembro 2007 17:37:00




xhtml CSS