Presidente nigeriano insta concidadãos a optar pela paz

Lagos- Nigéria (PANA) -- Face aos recentes confrontos étnicos e religiosas que causaram centenas de mortos em Jos, no centro da Nigéria, o Presidente Umaru Yar'Adua convidou os seus concidadãos a tudo fazerem para travar esta escalada de violência sectária que "está a tornar-se no principal obstáculo ao desenvolvimento do país".
Numa mensagem dirigida à nação por ocasião da celebração da festa muçulmana de Aid-El-Kebir (Tabaski), o Presidente Yar'Adua pediu que os Nigerianos reflectissem sobre as vias e meios de vencer este desafio recorrente à unidade da nação.
"Por ocasião da celebração da festa de Aid-El-Kebir este ano, no contexto das recentes violências surgidas em Jos, e seu cortejo de vários mortos, devemos aproveitar esta ocasião para reflectir sobre os meios de estarmos à altura deste desafio recorrente à nossa unidade e um obstáculo ao desenvolvimento da nossa nação".
"Nada pode justificar estes confrontos violentos cíclicos e esta política de ódio favorecida em certas comunidades por pessoas que conviveram pacificamente durante séculos, e o massacre absurdo dos nossos vizinhos e compatriotas.
Estes actos periódicos de violência interreligiosa impedem o desenvolvimento da nossa nação e devemos pôr um termo a elas e promover os laços que nos unem e minimizar as nossas diferenças", disse o chefe do Estado nigeriano.
Indicou que era da responsabilidade de todos os Nigerianos optar pelo objectivo comum de "encontrar a força na nossa diversidade e pôr esta força ao serviço das nossas aspirações colectivas".
Solicitou aos líderes da nação a todos os níveis para "renovar o nosso compromisso a desenvolver e aplicar as medidas e as políticas que façam esquecer a violência no nosso país, incentivando ao mesmo tempo a coexistência harmoniosa e pacífica do nosso povo".
O Presidente Yar'Adua assegurou que a sua administração iria mostrar a via para este objectivo, mas acrescentou que "precisamos do apoio, da cooperação e da colaboração totais de todos os Nigerianos para exitar".
Recordou aos Nigerianos que, com os seus 140 milhões de habitantes, quase equitativamente repartidos entre Cristãos e Muçulmanos, "as nossas duas grandes religiões estão fundadas nas virtudes do amor, da tolerência, da paciência e do perdão, e precisamos delas para alcançar o nosso objectivo de desenvolvimento rápido e sustentado numa nação forte, unida, indivisível e próspera".

08 Dezembro 2008 17:50:00


xhtml CSS