Presidente maliano pressionado por detenção de jornalistas

Paris- França (PANA) -- A organização francesa de defesa da liberdade da imprensa Repórteres Sem Fronteiras (RSF) instou quinta-feira o chefe de Estado maliano, Amadou Toumani Touré, a quebrar o seu silêncio face ao encarceramento de cinco jornalistas e dum professor por publicação dum artigo sobre uma redacção que evoca as estroinices dum Presidente imaginário.
"Estamos consternados pela obstinação do Procurador (da República do Mali) a enviar jornalistas a prisão em desprezo das normas democráticas e da presunção de inocência.
Além disso, é incompreensível que o Presidente Amadou Toumani Touré esteja silencioso", deplora a RSF num comunicado publicado em Paris.
A RSF sublinha que com este caso o Mali "toma a face banal duma República autoritária, perclusa de tabus e perigosa para os que se mostrariam irreverentes para com um chefe de Estado intocável".
A organização pede a libertação dos cinco jornalistas e do professor detidos por "cumplicidade de ofensa ao chefe de Estado".
Os jornalistas Sambi Touré do "Info-Matin", Alexis Kalembiry do "Echos", Birama Fall do "Républicain" e Hamèye Cissé do "Scorpion" foram detidos por terem publicado nos seus jornais o artigo antes divulgado pelo jornalista Seydina Oumar Diarra, preso desde 14 de Junho último.
Diarra, jornalista do Info-Matin, foi detido por ter publicado a 1 de Junho corrente um artigo intitulado "A Amante do Presidente da República", tema de redacção dado por um professor aos seus alunos.
O artigo relata a história duma estudante "prostituta económica" engravidada por um chefe de Estado que recusavia o reconhecimento do seu filho.

22 Junho 2007 11:05:00




xhtml CSS